• Eletrocardiograma

    Eletrocardiograma

  • Risco Cirúrgico

    Risco Cirúrgico

  • 1
  • 2
  • 3

Canal de Vídeos - Entrevistas com Dr. Marcelo Assad

Últimas Publicações

Dicas do Dr. Assad

Material do Aluno

Dicas de Saúde

Links Importantes

Infarto Agudo do Miocardio

Um em cada três indivíduos com mais de 55 anos vai morrer de infarto agudo do miocárdio !

Essa afirmação fria e alarmante é a conseqüência final de uma cascata de fatores:

  • Políticas públicas insuficientes nas áreas de saúde e educação
  • Ausência de leis restritivas ao consumo e à publicidade de produtos não são saudáveis
  • Pouco engajamento da sociedade organizada e ausência de entusiasmo persuasivo dos profissionais de saúde

No Brasil, onde o binômio infarto agudo-acidente vascular cerebral já ocupa o primeiro lugar em causa de mortes, estudos indicam que teremos 250% de aumento na mortalidade cardiovascular nos próximos 30 anos, além de alcançarmos a liderança mundial de casos de infarto agudo do miocárdio:

O custo sócio-econômico das doenças cardiovasculares, que atingem principalmente a população de renda mais baixa, é igualmente alarmante. Apenas, na União Européia, o custo anual com as doenças cardiovasculares é estimado em 169 bilhões de euros (R$ 450 bilhões de reais). E o maior acesso à informação em todo o mundo não provocou mudança nos fatores de risco que continuam os mesmos, famosos e conhecidos: pressão alta, diabetes, colesterol elevado, tabagismo, estresse, obesidade e sedentarismo. Esses fatores de risco não apenas estão em curva ascendente, como alguns - diabetes, obesidade e estresse psicossocial - crescem numa progressão epidêmica.

A pressão alta é um fator de risco independente e contínuo para a doença cardiovascular (DCV). É responsável por 40 % das mortes por acidente vascular cerebral (AVC) e 25% por doença arterial coronariana (DAC). A concomitância com outros fatores de risco é freqüente: 40 % dos hipertensos são obesos; 40% têm colesterol elevado; 35% fumam; e a hipertensão é duas vezes mais prevalente em indivíduos diabéticos do que em não diabéticos. Apesar desses números preocupantes, metade dos indivíduos hipertensos desconhece que o são; apenas 50% dos que sabem fazem tratamento; e, desses, só 25% estão com a doença sob controle.

Diabetes é outro importante e grave fator de risco cardiovascular. Infelizmente, caminhamos para uma epidemia causada pelos hábitos alimentares inadequados, inatividade física e excesso de peso. A proteção observada nas mulheres não diabéticas desaparece. O risco de ocorrência de infarto para um diabético é tão elevado quanto o de um não diabético que já sofreu infarto do miocárdio. A doença é também a principal causa de amputação não traumática de extremidades inferiores e de insuficiência renal, e importante causa de cegueira e, em cada 10 diabéticos, oito vão morrer por complicações cardiovasculares.

O tabagismo continua sendo um grande vilão, de preocupação mundial,. É impressionante que, em nosso país, ainda existam mais de 35 milhões de usuários ativos, sendo o consumo médio em torno de um maço por dia (20 cigarros) - quantidade que eleva o risco de DCV em 300%. Isoladamente, o tabagismo ainda é o mais importante fator de risco modificável para doença arterial coronariana. O consumo de cigarro está diretamente relacionado ao aumento nas proporções de morte súbita, AVC isquêmico, doença vascular periférica, formação de aneurisma aórtico. E a associação de cigarro com agentes contraceptivos orais (pílulas) expõe as mulheres jovens a riscos estrondosos de doença coronariana, AVC e tromboembolismo pulmonar.

O colesterol elevado (dislipidemia) é um fator de risco que tem ocupado grande espaço na mídia. Sua correlação com DCV e, principalmente, com as DACs é exaustivamente alvo de debates, alimentados também pelo interesse financeiro da indústria farmacêutica no seu tratamento. Ainda assim, estima-se que, no Brasil, mais de 20 milhões de indivíduos apresentem distúrbios do colesterol e dos triglicerídeos: grande parte não sabe que têm ou não se preocupa com o problema, já que colesterol alto não dói ou incomoda.

A obesidade caminha junto com o diabetes, em franca e preocupante expansão, inclusive na infância. O excesso de peso está relacionado com maior risco cardiovascular. Hoje se sabe que a obesidade abdominal (a famosa barriga) é a grande vilã da associação entre peso e DAC. A síndrome metabólica - aumento da circunferência abdominal, hipertensão, HDL baixo (bom colesterol), triglicerídeos elevados e hiperglicemia - já acomete mais de 20 % dos americanos e atinge parcela significativa da população mundial..

O sedentarismo da vida moderna, onde todos os avanços tecnológicos contribuem para o menor esforço, tornou-se um agravante. Mais de 80% da população brasileira não faz nenhuma atividade física regular, dado estarrecedor, já que a atividade física regular contribui para redução do peso corporal, redução da resistência insulínica, atenuação da dislipidemia, estímulo ao abandono do tabagismo, aumento da densidade óssea e redução do estresse.

O estresse é outro fator de risco frequente, traiçoeiro e silencioso, que atinge grande parte da população mundial, inclusive adolescentes e crianças. É necessário atenuar seu impacto: planejar o dia-a-dia, estabelecer objetivos realistas, ter capacidade de adaptação às situações e buscar no tempo vago atividades prazerosas estes são mecanismos compensatórios fundamentais. A busca incessante e patológica de estereótipos de poder, dinheiro, beleza e sucesso, ao invés de nos aproximar da felicidade, acabam nos afastando dela.

Esse panorama pode dar a impressão de desestímulo e desespero. Na realidade, entretanto, é um grande alerta conclamando para grandes mudanças de rumo, que dependem tanto de nós, enquanto sociedade organizada, quanto de políticas públicas governamentais. As alterações necessárias passam obrigatoriamente pelo envolvimento de todos: educadores, profissionais de saúde, políticos, formadores de opinião.

Mudar de rumo significa investir em prevenção, prevenção e prevenção. É fundamental que a prevenção primária - isto é, antes do aparecimento de manifestações de DCV - torne-se uma prática rotineira, principalmente para aqueles com história familiar da doença ou portadores de fatores de risco. A prevenção secundária, após o diagnóstico de uma doença cardiovascular, é determinante para tentar se evitar novos eventos. Um portador de DCV não está condenado a um prognóstico sombrio, mas. Mas o controle dos fatores de risco e a mudança dos hábitos de vida são obrigatórios.

Os números são categóricos em demonstrar que sempre vale a pena mudar. Antes tarde do que nunca.

  • A interrupção do fumo traz um resultado rápido e intenso na redução do risco de DCV: um ano após a sábia decisão, 50 % de sua negativa influência desaparece.
  • A perda de 10 % do peso corporal é um dos principais redutores da pressão arterial sistólica.
  • A atividade física constante reduz isoladamente em até 10 mmHg a pressão arterial, em 30mg/dl a glicose sanguínea, em 15% a taxa dos triglicerídeos. Um portador de hipertensão arterial controlada reduz seu risco em apresentar AVC em até 40% e em 50% de insuficiência cardíaca.

Só alcançaremos êxito neste mutirão pela prevenção se iniciarmos essa empreitada com o foco nas crianças, fortalecendo o controle alimentar, frisando a importância da atividade física regular (brincar, correr, disputar), impondo limites, definindo claramente direitos e deveres, que, no futuro, irão ser impactantes para sua saúde e qualidade de vida.

Como disse Henry David Thoreau, poeta e filósofo americano do século 19, "mais rico é o homem cujos prazeres são mais baratos". Nada é mais importante, simples e inteligente do que a preservação da saúde e, conseqüentemente, da qualidade de vida.

Marcelo Assad

Chefe do Serviço de Aterosclerose e Prevenção Cardiovascular do Instituto Nacional de Cardiologia.

Mestre em Cardiologia pela UERJ.

Visitantes

1.png3.png0.png3.png7.png0.png
Hoje4
Ontem68
Esta semana274
Este Mês1868
Total130370

Sexta, 28 Janeiro 2022 03:38

Calcule Seu Risco Cardíaco

Imprensa

Dr. Marcelo Heitor Vieira Assad

Dr.Marcelo.AssadEspecialidades

Cardiologia - Medicina Intensiva

  • Mestre em Cardiologia pela UERJ
  • Fellow of the American College of Cardiology
  • Residência em Cardiologia pelo Instituto Nacional de Cardiologia
  • Título de especialista em Cardiologia pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia)
  • Título de especialista em Terapia Intensiva pela AMIB (Associação Médica Intensiva Brasileira)
  • Coordenador do Serviço de Lípides e Diabetes do Instituto Nacional de Cardiologia.
  • Diretor da SOLAT (Sociedade Latino-americana de Aterosclerose)
  • Presidente eleito do Departamento de Cardiologia Clínica da SOCERJ (2018-2019)
  • Diretor Presidente da FUNDACOR (Fundação Pró-Coração)
  • Ex-Presidente do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ - (2007-2009)
  • Ex-Diretor financeiro do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia (2011-2013)
  • Ex-Presidente do Corpo clínico do Instituto Nacional de Cardiologia - (2009-2013)
  • Ex-Coordenador da Divisão de Procedimentos Clínicos do Instituto Nacional de Cardiologia