• Eletrocardiograma

    Eletrocardiograma

  • Risco Cirúrgico

    Risco Cirúrgico

  • 1
  • 2
  • 3

Canal de Vídeos - Entrevistas com Dr. Marcelo Assad

Últimas Publicações

Dicas do Dr. Assad

Material do Aluno

Dicas de Saúde

Links Importantes

Novo medicamento de controle do colesterol

Um dos principais causadores das 17,5 milhões de mortes por doenças cardiovasculares no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde, o colesterol alto ganhou mais um combatente — à base da substância evolocumabe. O novo tratamento, que passou a ser comercializado na Europa em 2015 e deve chegar no Brasil até o fim deste ano, é uma alternativa a pacientes com alto risco de doenças cardiovasculares que, até então, não conseguiam atingir as taxas ideais do colesterol ruim (o LDL-C ).

— Estudos mostraram que, independentemente da idade, sexo, presença de diabetes e risco cardiovascular, a redução do colesterol ruim chegou a 75% usando a evolocumabe combinada com as estatinas (tratamento padrão) — explica a médica Maristela Sampaio, do laboratório Amgen.

Evolocumabe é um anticorpo humano que inibe a proteína responsável pela redução da capacidade do fígado de remover o LDL-C do sangue. O remédio, que funciona com uma injeção subcutânea a cada duas semanas, é também esperança para os intolerantes às estatinas — a redução do colesterol deste grupo foi de até 50%, segundo estudos.

— É um braço terapêutico que veio ajudar esses pacientes, embora o tratamento padrão, para os que podem, continue sendo a estatina. Deve ser usado a vida toda, já que a doença tem controle, não cura — reforça Marcelo Assad, do Instituto Nacional de Cardiologia, que alerta para a negligência no uso dos medicamentos: — Há pessoas que usam por período curto e param.

Como Funciona Nosso Corpo

Cerca de 40% dos adultos têm colesterol alto

No Dia Nacional de Controle do Colesterol, um alerta: cerca de 40% da população no Brasil têm colesterol elevado, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Nessa estatística, mora o perigo: quando se aumenta o colesterol, há aumento da taxa de morte por doenças cardiovasculares.

Se por um lado há pessoas “privilegiadas” por uma herança genética que facilita o colesterol baixo, há uma condição hereditária que expõe o paciente a altos níveis de colesterol ruim — a hipercolesterolemia familiar. Cerca de 300 mil pessoas no país têm a condição, mas menos de 10% são tratados corretamente.

— Muitas vezes, medicamentos que existem não conseguem trazer o LDL a níveis tão baixos que possa haver redução do risco cardiovascular — diz o cardiologista Francisco Fonseca.

Fonte: https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/novo-medicamento-de-controle-do-colesterol-alternativa-para-pacientes-de-alto-risco-19874016.html

Visitantes

1.png3.png0.png3.png7.png0.png
Hoje4
Ontem68
Esta semana274
Este Mês1868
Total130370

Sexta, 28 Janeiro 2022 01:55

Calcule Seu Risco Cardíaco

Imprensa

Dr. Marcelo Heitor Vieira Assad

Dr.Marcelo.AssadEspecialidades

Cardiologia - Medicina Intensiva

  • Mestre em Cardiologia pela UERJ
  • Fellow of the American College of Cardiology
  • Residência em Cardiologia pelo Instituto Nacional de Cardiologia
  • Título de especialista em Cardiologia pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia)
  • Título de especialista em Terapia Intensiva pela AMIB (Associação Médica Intensiva Brasileira)
  • Coordenador do Serviço de Lípides e Diabetes do Instituto Nacional de Cardiologia.
  • Diretor da SOLAT (Sociedade Latino-americana de Aterosclerose)
  • Presidente eleito do Departamento de Cardiologia Clínica da SOCERJ (2018-2019)
  • Diretor Presidente da FUNDACOR (Fundação Pró-Coração)
  • Ex-Presidente do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ - (2007-2009)
  • Ex-Diretor financeiro do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia (2011-2013)
  • Ex-Presidente do Corpo clínico do Instituto Nacional de Cardiologia - (2009-2013)
  • Ex-Coordenador da Divisão de Procedimentos Clínicos do Instituto Nacional de Cardiologia